domingo, 15 de agosto de 2010

Adeus Mariana


O caudilho não queria falar. Rei da retórica, Leonel Brizola estava reticente. Lacônico com a imprensa há semanas.
A raposa política era o lanterna das pesquisas naquelas eleições em 2000. A tarefa da estagiária era entrevistá-lo a qualquer custo.
A reportagem só iria ao ar com a declaração de todos os candidatos à prefeitura.
Tentei por telefone em mais de quinze ligações.
Na última, um brinde da sorte:

_Alô, quem fala? _Boa tarde candidato.
_A tarde é mesmo boa, mas não vou falar com jornalistas._disse ele.
_Aqui é Mariana da Rádio CBN.
_Mariana? Sabe que estava pensando nesse nome agora?

Surgiu um Brizola nostálgico.
Desatou a cantar uma canção com meu nome. Tinha até alguma afinação.
A letra era uma despedida. Sobre um homem que decidira largar uma mulher durona. Minha xará dos pampas.
Depois de soltar a voz, revelou que se tratava de uma composição antiga que marcara sua adolescência.
_Cantava esta música para minha primeira namorada em serenatas. Mariana era uma gaúcha brejeira. Quase casei-me com ela. Nunca mais encontrei um disco do grande intérprete. Uma pena.

Brizola se referia à Pedro Raimundo. Típico cantor sulista. De voz melodiosa e pouco conhecido na Região Sudeste.
Resumo da serenata telefônica: O candidato cantou, mas, não falou. Encerramos a ligação em seguida. Meu chefe não gostou. E eu, não me dei por vencida.
No mesmo dia, invadi a Central de arquivos do Sistema Globo de Rádio, uma das mais completas do país.
Os técnicos encontraram a machadinha que quebraria o silêncio de Brizola: Raras gravações do tal cantor gaúcho em vinil, incluindo o hit “ Adeus Mariana”. Gravei a fita-cassete com uma música. Na época, gravadores de CD ainda não eram acessíveis. Deixei no prédio de Brizola, em Copacabana, com um cartão: Para o senhor recordar. Envio apenas uma das dezenas de músicas que encontrei na voz de seu cantor preferido. Se quiser ouvir as outras, ligue para a redação."

Minutos depois, o telefonema emocionado:
_ Mariana, o presente me fez remoçar. Sinto-me revigorado para continuar minha campanha. Agora vai.

Não foi.
Brizola me deu entrevista naquele dia. Nunca mais se negou a falar comigo. Me atendia prontamente, sempre cantando. Depois das eleições, ganhou outra fita-cassete. Dessa vez, com os dois lados repletos de canções.

22 comentários:

  1. Para quem quiser ouvir a música hilária, lá vai o link:

    http://www.paginadogaucho.com.br/musi/mp3/mus059.mp3

    ResponderExcluir
  2. Gente, essas aventuras... Só Mariana Gross mesmo.

    Aliás, atitude esperta.

    ResponderExcluir
  3. Boa, Mariana!
    Na época de estagiária só te davam missões impossíveis, hein?!.. Se bem que não anda mto diferente, né?! Desabou, encheu, transbordou, tá lá a Gross! Qse mulher maravilha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Você nos aparece com cada história.. uma melhor que a outra.
    Mais emocionante do que ler histórias como é essa, é poder ter vivido tudo, parabéns pelo trabalho sensacional!

    ResponderExcluir
  5. Exímia negociadora!! Vc deve ter sido um ótima estagiária. A música é msm hilária. hehehe

    ResponderExcluir
  6. E vivam as artimanhas do jornalismo!!! Ótima história. Bjos.

    ResponderExcluir
  7. Não contive a curiosidade e ouvi a música! Hilária mesmo, imagino então na voz dele.

    Suas missões na Rádio CBN eram verdadeiras aventuras, cada história incrível. E mesmo assim, o que mais me surpreende é a sua esperteza em cada uma delas.
    Traduzindo o cartão que você mandou para ele: "Não contava com a minha astúcia, né Sr.Brizola?" hahaha

    Excelente história!

    Beijo Mari.

    ResponderExcluir
  8. ele não tava te "cantando " não ? Kkk

    ResponderExcluir
  9. Adorei o blog. Está entre os meus favoritos...bjo

    ResponderExcluir
  10. Fiquei boba com as suas historias, Mariana! Primeiro pq voce era uma estagiaria nota 1000, eu queria encontrar uma assim! Segundo, eu nao quis nem comecar a comparar minha rotina num escritorio com essas suas aventuras. Mandou muito bem! Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Mariana, você é demais!!
    Quando tem que ser mesmo, é viu??
    Adorei a história!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  12. como já disseram, eu também não contive a curiosidade e fui ouvir a música... Muito boa a história

    ResponderExcluir
  13. Sempre admirei muito o Brizola. Mas, com todo respeito que ele sempre terá de mim, essa história é sua, Mari. Você conseguiu dobrar o velho, perspicazmente, à maneira clássica de um jornalismo que não existe mais: autêntico.

    Sou seu fã, madame. Beijo enorme!

    ResponderExcluir
  14. Mariana: sensacional a história. Permita-me: http://butecodoedu.blogspot.com/2010/08/entrevista-com-beth-carvalho.html

    ResponderExcluir
  15. Mari, que música engraçada... kkkkkkkkkkkkkkk... E essa música que te deu as entrevistas e acesso ao velho caudilho... Adeus Mariana! rs...

    Parabéns pela perspicácia, pela coragem, e por não desistir... já presenciei uma palestra sua na Estácio, e simplesmente é D+ ouvir todas essas suas histórias... Bom saber que agora tem o blog pra deixar registrado!

    Sou formando em jornalista, nem sei se chego a trabalhar na área, mas bebo da sua inspiração!

    http://apenas-daniel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Parabéns para Mariana, pela belíssima história. Cá do meu canto "demodê, saudosista, blasê, retrô", citando Aldir Blanc, lamento profundamente a tônica dominante nos comentários acima. Uns caçoam da música, revelando, mais do que apenas a arrogância típica dos que tudo julgam pela ótica de suas idiossincrasias (estéticas, morais, políticas etc.), a insensibilidade para perceber no episódio, acima do evidente sucesso do saboroso "ardil" profissional utilizado, a lição mais importante: de como podemos humanizar as relações interpessoais para muito além dos manuais de redação, dos protocolos cerimoniais etc. E com bons frutos. Não só os que os utilitaristas conseguem enxergar (versão contemporânea dos "idiotas da objetividade" rodriguenos), mas os que, "pra se entender, tem que se achar que a vida não é só isso que se vê".
    Saudações!
    Fernando Szegeri

    ResponderExcluir
  17. Que texto simples e ao mesmo tempo tão carregado de emoção!...Simplesmente maravilhoso.Ainda espero ver esses textos todos em livro.Para o nosso deleite.Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Lindíssima história vivida entre vocês. Vai ficar na minha imaginação o fato ocorrido. Bárbaro!

    ResponderExcluir